A história da Moka

26/05/2021 | 0 Comentários

moka

Conhecida também como ‘cafeteira italiana’, a ‘moka’ ou ‘moka express’ é uma invenção da Alfonso Bialetti & C., Fonderia In Conchiglia S.P.A., de 1933. Se por Luigi di Ponti (1904-1993) ou pelo próprio Alfonso Bialetti (1888-1970), fato é que a empresa mudou a forma de fazer café por pressão com esse utensílio de alumínio. ⠀

Além do design, o uso desse material que compõe a cafeteira tem história. Em 1933, o alumínio não era um metal comum para ser usado em utensílios domésticos, mas sim o aço ou ferro. Na época, o ditador Benito Mussolini (1883-1945), que liderou o Partido Nacional Fascista, havia colocado um embargo ao aço inoxidável, e a Itália, então rica em bauxita, a base do minério de alumínio, começa a empregá-lo em outros objetos. Dessa imposição, Bialetti fez sua ‘Moka Express’ de alumínio. ⠀

Durante a Segunda Guerra Mundial, a Moka só foi comercializada e vendida localmente, nos mercados do Piemonte. Com a alta do preço tanto do café quanto do alumínio durante a guerra, a produção foi interrompida. Retomada com a resolução do conflito, pós-1945, a marca firmou sua cafeteira de corpo metálico octogonal simétrico como símbolo. ⠀

Em 1953, a Moka recebeu um reforço que a tornou ainda mais reconhecida, “L’omino con i baffi”, ou um homenzinho de bigode, um cartoon inspirado em Renato Bialetti, filho de Alfonso, e que faz parte do logo da empresa até hoje. ⠀ 🖼 Projeto da Cafeteira Moka para o processo de patente (1951). 📚 Além das muitas casas – estima-se que mais de 330 milhões de Mokas já foram vendidas pelo mundo -, ela tem lugar no The Museum of Modern Art e no London Science Museum.